Meus seguidores

domingo, 1 de janeiro de 2017

Quiz 12: PORTUGUÊS 5° ANO

Quiz 12: PORTUGUÊS 5° ANO
QUIZ 12: PORTUGUÊS 5° ANO

1. (AvaliaBH). Leia o texto abaixo:

Sinopse do filme Xuxa e o Mistério de Feiurinha

    O que acontece depois do “felizes para sempre”? Este outro lado dos contos de fadas virá ao mundo real quando uma princesa encantada desaparece misteriosamente.

    Ao perceberem que Feiurinha sumiu, todas as princesas encantadas, como Rapunzel, Bela-Fera, Branca de Neve, Bela Adormecida e Cinderela ficam preocupadas e com medo de que isso também possa acontecer com elas, especialmente porque nenhuma se lembra da história de Feiurinha!

    Disposta a descobrir o paradeiro da princesinha, Cindy (como Cinderela é carinhosamente chamada) coloca todos para trabalhar, em busca de uma pista qualquer.

    Assim, ela acaba indo procurar ajuda nas mentes inventivas do mundo real onde encontra Pedro, um escritor com bloqueio criativo, e seus sobrinhos João e Maria.

    Mas, apesar dos esforços deles, que criam uma rede na internet com crianças do mundo todo, ninguém sabe do paradeiro de Feiurinha. E agora, como eles farão para resgatar a princesa desaparecida se ninguém a conhece?

Disponível em: http://www.xuxaemomisteriodefeiurinha.com.br

Nesse texto, a princesa encantada que coloca todos para trabalhar é


2. (AvaliaBH). Leia o texto abaixo:

NÓS SOMOS IGUAIS, NÓS SOMOS DIFERENTES

    Ia ser muito chato se todas as pessoas fossem iguais, não é mesmo? Mas, por sorte, a humanidade é cheia de variedade e de cor (negros, brancos, amarelos e índios, que a gente diz que são vermelhos). E também existem os altos, os baixos, os gordinhos, os magros, os loiros e os morenos. Por causa das cores, as pessoas, muito antigamente, pensavam que os humanos estavam divididos em várias raças. Agora, não: nós sabemos que as diferenças são normais e saudáveis.

Cláudia, n. 440.

No trecho “Ia ser muito chato se todas as pessoas fossem iguais, não é mesmo?”, o ponto de interrogação foi utilizado para


3. (AvaliaBH). Leia o texto abaixo:

O velho escravo

    Um velho escravo, já coxo e meio cego, voltava para o sítio quando o sol ia se pondo no horizonte. Repentinamente, ouviu um rugido que o deixou amedrontado. Era um leão que, de dentro da mata, o acompanhava espreitando-o como um gato persegue um rato.

    Já era noite e o sítio ainda estava longe. Ao chegar em uma colina que terminava num grande precipício, sentou-se à beira dele, pois suas pernas não suportavam mais o peso de seu corpo. Além disso, julgava estar mais a salvo, naquele lugar.

    Como era noite sem estrelas nem lua, mas escura como breu, o velho teve a ideia de colocar seu chapéu e paletó na ponta do cajado, cravado no chão.

    E deitou-se ao lado, já sem forças físicas. O leão, que o seguira de mansinho, aproximou-se do local e, como estava muito escuro, pensou que o vulto, que via em pé, era o do velho escravo.

    Num salto felino, jogou-se sobre o improvisado espantalho. Como estava rente ao precipício, rolou morro abaixo, indo parar no fundo do abismo que a própria natureza lhe preparara.

    O velho pôde, assim, dormir tranquilo a noite toda para, na manhã seguinte, prosseguir na sua caminhada, agora sem a ameaça da fera.

4 estações/ Verão, Erechim/RS: Edelbra, 10 de janeiro. Fragmento.

Leia novamente o trecho. O leão, que o seguira de mansinho, aproximou-se do local... (4° parágrafo). A expressão destacada possui sentido de


4. (AvaliaBH). Leia o texto abaixo:

Direito das crianças

  Toda criança do mundo

  Deve ser bem protegida

  Contra os rigores do tempo

  Contra os rigores da vida.

  (...)

  Não é questão de querer

  Nem questão de concordar

  Os direitos das crianças

  Todos têm de respeitar.

  (...)

  Ter direito à atenção

  Direito de não ter medos

  Direito a livro e a pão

  Direito de ter brinquedos.

  (...)

  Morango com chantilly,

  Ver mágico de cartola,

  O canto do bem-te-vi,

  Bola, bola, bola, bola!

  (...)

  Um passeio de canoa,

  Pão lambuzado de mel,

  Ficar um pouquinho à toa...

  Contar estrelas no céu...

ROCHA, Ruth. Os direitos das crianças segundo Ruth Rocha. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2002.

Nesse texto, a expressão “ficar um pouquinho à toa” significa


5. (AvaliaBH). Leia o texto abaixo:

Manguezal: um dos habitats mais ricos do planeta

    Se você também acha que o manguezal é um lugar feio, cheio de mosquitos e fedorento está na hora de rever suas ideias. Afinal, o número de admiradores desse ambiente só aumenta, e você precisa saber por quê.

    O manguezal é um dos mais ricos ambientes do planeta, possui uma grande concentração de vida, sustentada por nutrientes trazidos dos rios e das folhas que caem das árvores. Se você reparar bem, verá que ele tem ainda localização privilegiada: quase sempre existe em regiões muito iluminadas pela luz do Sol e, eventualmente, se localiza em áreas onde o rio se encontra com o mar. Por causa da quantidade de sedimentos – restos de plantas e outros organismos – misturados à água salgada, o solo dos manguezais tem aparência de lama. Mas dele resulta uma floresta exuberante capaz de sobreviver naquele solo inundado constantemente pela maré e com muita concentração de sal. [...]

Disponível em: http://www.cienciahoje.uol.com.br/145021 Acesso em: 20 jun. 2009.

De acordo com esse texto, os manguezais têm o solo com aparência de lama, porque


6. (AvaliaBH). Leia o texto abaixo:

MEIO AMBIENTE

A descoberta do estranhíssimo sapo-fóssil

    Apareceu pelas colinas da Índia um sapo bem esquisitão. Para começar, ele é roxo (“creeedo!”). Tem sete centímetros e um focinho pontudo. A cabeça é meio pequena para o corpo, e, por isso, o bicho parece mais uma bolha gosmenta roxa (Creedo!) do que um ser vivo. E mais estranho que isso só o nome dele: Nasikabatrachus sahyadrensis (mas esse nome-palavrão na verdade quer dizer uma coisa bem simples – “sapo da montanha Sahyadri”).

    O sapo pode até ser feioso, mas, para os seus descobridores, ele é o bicho mais bonito do mundo. É que o sapo da montanha é um fóssil vivo, de 130 milhões de anos atrás. Os antepassados dele viveram na época dos dinossauros, e, por isso, o sapão roxo é muito importante para entender como os anfíbios da família dele evoluíram. Logo... o Nasika é lindo!

    Pois é... se o amor é cego, a ciência também! (mas que mal gosto, hein?)

Disponível em: http://www.canalkids.com.br/ central/arquivo/meio_sapofossil.htm

De acordo com esse texto, qual é a opinião dos pesquisadores sobre o sapo encontrado na Índia?


7. (AvaliaBH). Leia o texto abaixo:

Menino morde pitbull e se salva

    Um menino de 11 anos da cidade de Sabará, na região metropolitana de Belo Horizonte, inverteu a lógica ao morder um cão. Gabriel Almeida estava no quintal da casa de um parente quando foi atacado por um cão da raça pitbull. Ele chegou a gritar por socorro, mas, ao ser mordido no braço, conseguiu agarrar o animal pelo pescoço e cravar uma dentada. O menino usou tanta força que seu dente canino ficou preso na pele do animal. Com o braço enfaixado, ele falou sobre o ataque:

    – Não tem problema. É melhor perder um dente que perder a vida.

    O animal, que pertence ao tio do garoto, foi contido por pedreiros que trabalhavam em uma casa vizinha.

O Globo. Primeiro caderno. Rio de Janeiro, 24 jul. 2008.

O fato narrado pela notícia aconteceu


8. (AvaliaBH). Leia o texto abaixo:

Disponível em http://www.meninomaluquinho. com.br/PaginaTirinha/. Acesso em 05/07/2008.

A história de Maluquinho se passa


9. (PM-CAMAÇARI). Leia o texto abaixo e responda.

O ladrão e o cão de casa

    Querendo um ladrão entrar em uma casa de noite para roubar, achou à porta um cão, que com latidos a impedia. O cauteloso ladrão, para acalmá-lo, lhe lançou um pedaço de pão. Mas o cão disse: — Bem entendo que me dás este pão para que cale, e te deixe roubar a casa, não por amor que me tenhas: porém já que o dono da casa me sustenta toda a vida. Não deixarei de latir, se não for embora, até que ele acorde, e te venha surrar. Não quero que este bocado de pão que me custe morrer de fome toda a minha vida.

Moral: sempre terá amanhã, aquele que valoriza o que tem hoje.

O que diz na moral “sempre terá amanhã, aquele que valoriza o que tem hoje”, se dá porque o cachorro


10. (SAERS). Leia o texto abaixo.

Atchin! É gripe?

    Dores pelo corpo e de cabeça, garganta inflamada, tosse, febre, coriza... Será gripe? Ou será um resfriado? Embora apresentem sintomas extremamente parecidos, essas são duas doenças diferentes.

    O resfriado é uma infecção branda e costuma ser causado por vírus pertencentes à família Rhinovírus, que conta com mais de 100 tipos. Já a gripe – também conhecida como influenza – pode afetar seriamente o organismo graças à ação dos vírus conhecidos como influenza A, influenza B e influenza C.

    Embora as duas doenças possam levar a complicações como, por exemplo, inflamações no ouvido, bronquites e pneumonia, a gripe gera maior preocupação entre pesquisadores e profissionais de saúde devido ao alto poder de transmissão e mutação de seus agentes infecciosos. Isto é, os vírus causadores da gripe conseguem assumir novas formas e se espalhar rapidamente entre as pessoas resultando em epidemias da doença.

www.museudavida.fiocruz.br/publique/cgi/cgilu

Por que a gripe gera maior preocupação?


11. (1ª P.D – SEDUC-GO). Leia o texto abaixo e, a seguir, responda.

(Mauricio de Sousa. Chico Bento, n. 363. dez. 2000).

Os personagens da tira utilizam uma linguagem própria de


12. (Reforço Digital – RJ). Leia os textos a seguir e responda.

TEXTO 1

  Quando a chuva para

  E o sol aparece,

  Veja só o que

  Acontece:

  Deus pega um pincel

  E pinta sete cores

  No céu!

AZEVEDO, Alexandre. Poeminhas fenomenais. São Paulo, Atual.


TEXTO 2

  É um fenômeno óptico e meteorológico que separa a luz do sol em seu espectro (aproximadamente) contínuo quando o sol brilha sobre gotas de chuva. Ele é um arco multicolorido com o vermelho no seu exterior e o violeta em seu interior; a ordem completa é vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil (ou índigo) e violeta.

Os Textos 7 e 8 abordam, de forma diferente, o mesmo tema, que




Quiz 19: PORTUGUÊS 5° ANO

Quiz 19: PORTUGUÊS 5° ANO
QUIZ 19: PORTUGUÊS 5° ANO

1. (SAEMI). Leia o texto abaixo.

O Lobisomem e a Lua cheia

    O Lobisomem é um bicho muito tranquilo... A não ser em noites de Lua cheia. Isso mesmo! Vai chegando a Lua cheia e ele fica agitado, andando de um lado para o outro.

    Sabe por quê? Ele se torna romântico e só quer saber de fazer serenatas! O que é serenata? É a vontade de cantar para alguém, inspirado pela beleza da noite...

    Logo que a Lua nasce, ele sai de casa e só retorna quando o Sol desponta. Faz serenata para todas as moças da floresta. Elas ficam encantadas com o romantismo e a linda voz do Lobisomem.

    Quando a Lua começa a minguar, o Lobisomem vai se acalmando... Na Lua nova, já nem se lembra das serenatas! Mas é só a Lua crescer e ele começa a ficar romântico, a conversar com as flores, meio que apaixonado...

    Até a Lua cheia tornar a brilhar no céu. Então, o Lobisomem pega a sua viola e volta a fazer lindas serenatas...

    Ainda bem, pois as mocinhas da floresta já estavam com saudades!

LUFE. O Lobisomem e a Lua cheia. Editora Leitura. (Coleção Festa na floresta).

Nesse texto, o que faz com que o Lobisomem fique agitado?


2. (SADEAM). Leia o texto abaixo.

Cidadezinha

  Cidadezinha cheia de graça...

  Tão pequenina que até causa dó!

  Com seus burricos a pastar na praça ...

  Sua igrejinha de uma torre só...

  Nuvens que venham, nuvens e asas,

  Não param nunca nem um segundo...

  E fica a torre, sobre as velhas casas,

  Fica cismando como é vasto o mundo!...

  Eu que de longe venho perdido,

  Sem pouso fixo (a triste sina!)

  Ah, quem me dera ter lá nascido!

  Lá toda a vida poder morar!

  Cidadezinha... Tão pequenina

  Que toda cabe num só olhar...

QUINTANA, Mário. Lili inventa o mundo. Porto Alegre: Mercado Alberto, 1983 p. 5.

No verso “Ah, quem me dera ter nascido!”, o termo destacado refere-se à


3. (Sobral-CE). Leia o texto e responda.

A lua

    Numerosas lendas dizem que, no princípio, dois sois nasceram juntos. Isso provocou um calor e uma luz insuportáveis e uma rivalidade violenta entre os dois astros. Na áfrica, contam que um dos sois sugeriu ao outro tomar banho juntos, mas ele só fingiu pretender entrar no rio. O outro mergulhou mesmo e apagou-se quase por completo. Transformado-se na Lua, “ele” não pôde mais aquecer, embora ainda ilumine.

    Muitos povos explicam que as manchas na superfície da Lua são marcas da poeira que o Sol, despeitado, jogou para apagar o brilho dela.

Catherine Ragache e Claude Ragache. A criação do mundo. São Paulo: Ática, 2003.

A palavra “ele” (1° parágrafo) está se referindo ao


4. (SAEPE). Leia o texto abaixo.

A onça e a coelhinha

    Uma onça faminta vagava pela floresta à procura de comida.

    De repente, uma coelha branquinha pulou diante dela.

    Percebendo a intenção da onça, o pequeno animal tentou distrair o poderoso adversário.

    – Bom dia, dona Onça, como vai?

    – Muito bem, e vai ficar melhor – respondeu a onça, lançando olhares famintos para a indefesa coelhinha.

    – Sabe, tenho seis lindos filhotes que acabaram de nascer. A senhora quer conhecê-los?

    – Oh, sim, por que não? – disse a onça, já pensando num almoço farto.

    – Então, espere que vou buscá-los. Volto já. A onça nem foi atrás.

    Só pensava no banquete que a aguardava.

    E lá ficou à espera.

    Se ainda permanece no local, não sei, não.

    Só sei que desta vez a coelhinha escapou de virar comida de onça.

AROEIRA, M. Luisa; BIZZOTO, M. Inês Bizzoto (adapt.). Armazém de Textos. FAPI.

Nesse texto, a coelha foi


5. (SEMEC - E.M.Ministro Marcos Freire). Leia o texto abaixo do cartunista brasileiro Jean Galvão.

    A Declaração Universal dos Direitos da Criança garante às crianças o direito à educação, o direito de não trabalhar e não ser explorado, o direito à alimentação e a cuidados médicos. Será que esses direitos vêm sendo respeitados em nosso país?

As palavras escritas no cartum se referem


6. (Sobral-CE). Leia o texto e responda.

FIGURAS CARNAVALESCAS

    O Rei Momo é o personagem que se tornou símbolo do Carnaval brasileiro. A figura é de origem portuguesa e foi inspirada no bufo, considerado ator muito comum em Portugal, que representava pequenas comédias teatrais para divertir os nobres.

    No entanto, em todo o mundo, há figuras que embelezam e compõem a festa carnavalesca. As três principais são Pierrô, Arlequim e Colombina. Os três compõem um drama de amor.

    Surgiram entre os séculos XVI e XVIII, a partir de uma companhia de atores italianos que se instalou na França.

    Pierrô é um personagem sentimental e uma de suas principais características é a ingenuidade, surgindo sempre com uma expressão de tristeza no rosto. Seus trajes são o de um palhaço refinado com um bandolim.

    Arlequim é o rival de Pierrô pelo amor de Colombina, representando o malandro, o palhaço farsante, cômico, cujos trajes são confeccionados a partir de retalhos triangulares.

    Colombina é uma criada de quarto, pela qual Pierrô se apaixona. Mas ela é volúvel, esperta, sedutora e, na realidade, se faz amante de Arlequim. Seus trajes são de cores variadas, acompanhado quase sempre os de Arlequim. Ela se veste, também, como uma “arlequineta”.

Cecílio Elis Neto. Revista Na Poltrona (revista de bordo do Grupo Itapemirim), mar. 2003. (Fragmento.)

O texto tem como tema


7. Leia o texto abaixo.

QUANDO TUDO ACONTECEU...

    O maior escritor infantil brasileiro de todos os tempos, José Bento Monteiro Lobato, nasceu em 18 de abril de 1882, em Taubaté (SP). Cresceu numa fazenda, se formou em direito sem nenhum entusiasmo, já que sempre quis ser pintor! Em 1970 foi para Areias como promotor público, casou com Maria Pureza com quem teve três filhos. Entendido com a vida numa cidade pequena, escreveu prefácios, fez traduções, mudou para a fazenda Buquira, tentou modernizar a lavoura arcaica, criou o polêmico “Jeca Tatu”, fez uma imensa e acalentada pesquisa sobre o SACI publicada no Jornal O Estado de São Paulo. – Em 1918 lançou, com sucesso, seu primeiro livro de contos Urupês.

    – Em 1920 lançou A MENINA DO NARIZ ARREBITADO, com desenhos e capa de Voltolino, conseguindo sua adoção em escolas e uma edição recorde de 50.000 exemplares. – morreu em 4 de julho de 1948 dum acidente vascular.

    – Suas obras completas são constituídas por 17 volumes dirigidos às crianças e 17 para adultos englobando contos, ensaios, artigos e correspondência.

A finalidade do texto é:


8. (Reforço digital – RJ). Leia o texto a seguir e responda:

CANSAÇO

    – Ufa, Paulinho! Esse jogo foi o mais difícil do campeonato.

    – É verdade, Carol! Eu já não aguentava mais correr atrás da bola.

    – Eu também, mas valeu a pena, a gente ganhou o torneio.

    – Agora podemos sentar e descansar um pouco até a hora da premiação.

    – Acho que vamos ter de deixar o descanso para depois. A premiação já está começando.

    – Então, vamos lá!

Fonte: Adaptado de Souza, Cássia. De olho no futuro. SP. Quinteto Editorial: 2003

O trecho – “Acho que vamos ter de deixar o descanso para depois. A premiação já está começando”, foi falado por


9. (PROEB). Leia o texto abaixo.

Minha visão da África

    Um dia minha mãe foi me buscar na escola.

    Ela fez uma cara séria e disse que a gente precisava conversar.

    – Filha, eu fui convidada para trabalhar na embaixada brasileira em Angola e vou ter que morar lá por pelo menos um ano.

    Como eu não sou muito boa de Geografia, tive que perguntar:

    – Onde fica Angola?

    – Na África, Bia.

    Aí a coisa engrossou. Já estava quase decidida a ir com minha mãe, mas para a África era um pouco radical demais:

    – Você tá brincando, né, mãe? Tá querendo me levar para o meio da selva, com um monte de leões e elefantes?

    Minha mãe respondeu séria:

    – Essa é uma visão errada da África. Lá existem leões e elefantes, mas eles estão em reservas. Além disso, também existem muitas cidades grandes como as nossas.

DREGUER, Ricardo. Bia na África. São Paulo: Moderna, 2007.

De acordo com esse texto, na opinião de Bia, a África


10. (SEDUC-GO). Leia o texto abaixo e responda.

O socorro

    Ele foi cavando, cavando, cavando, pois sua profissão – coveiro – era cavar. Mas, de repente, na distração do ofício que amava, percebeu que cavara demais. Tentou sair da cova e não conseguiu. Levantou o olhar para cima e viu que, sozinho, não conseguiria sair. Gritou. Ninguém atendeu. Gritou mais forte. Ninguém veio. Enrouqueceu de gritar, cansou de esbravejar, desistiu com a noite. Sentou-se no fundo da cova, desesperado. A noite chegou, subiu, fez-se o silêncio das horas tardias. Bateu o frio da madrugada e, na noite escura, não se ouvia um som humano, embora o cemitério estivesse cheio de pipilos e coaxares naturais dos matos. Só pouco depois da meia-noite é que lá vieram uns passos. Deitado no fundo da cova o coveiro gritou. Os passos se aproximaram. Uma cabeça ébria apareceu lá em cima, perguntou o que havia: ― O que é que há?”.

    O coveiro então gritou desesperado: ―Tire-me daqui, por favor. Estou com um frio terrível!”. ―Mas, coitado!‖ condoeu-se o bêbado – ―Tem toda razão de estar com frio. Alguém tirou a terra de cima de você, meu pobre mortinho!‖ E pegando a pá, encheu-a de terra e pôs-se a cobri-lo cuidadosamente.

Moral: Nos momentos graves é preciso verificar muito bem a quem se apela.

FERNANDES, Millôr. Disponível em: http://citador.weblog.com.pt/arquivo/109176.html

O que faz esse texto ficar engraçado?


11. (Sobral-CE). Leia o texto abaixo e responda.

Toda Mafalda. Joaquim Salvador Lavado, (Quino), São Paulo: Martins Fontes: 1993, p. 111.

Neste trecho "ALÉM DISSO..." (quadrinho 3), as reticências estão indicando


12. (Reforço digital – RJ). Leia os textos e responda:

TEXTO 1

    O BISCOITO é o produto obtido pela mistura, amassamento e cozimento conveniente de massa preparada com farinhas e outras substâncias alimentícias.

    História: A história do biscoito vem desde o tempo dos homens das cavernas. Nessa época, quando o homem já comia alguns grãos, triturando-os com os dentes, ele teve a ideia de moê-los com pedra. Depois passou a misturá-los com água e secá-los ao fogo. (...)

    Atualidade: Hoje, o biscoito tem um dos maiores mercados de consumo. Calcula-se que nos últimos anos a produção nacional tenha girado em torno de 1 milhão de toneladas por ano, ou seja, algo em torno de 6 quilos de biscoitos consumidos anualmente, para cada habitante de nosso país.

Fonte: http://www.biscoito.com.br/

TEXTO 2

Biscoitos recheados podem fazer mal à saúde

Rafaela Bortolin

    Parece hábito de criança, mas tem muito adulto que também não resiste a um pacote de biscoitos recheados. (...)

    Porém, apesar de ser um hábito comum, os especialistas alertam que o consumo exagerado de biscoitos recheados pode fazer mal à saúde. (...)

    Uma dica legal para fugir dos problemas de saúde é substituir a ingestão de bolachas recheadas por frutas, sanduíches naturais, sucos e vitaminas.

Os textos 1 e 2 apresentam informações sobre




Quiz 18: PORTUGUÊS 5° ANO

Quiz 18: PORTUGUÊS 5° ANO
QUIZ 18: PORTUGUÊS 5° ANO

1. (SAEPI). Leia o texto abaixo e responda.

A passeata da Emília

    – Dona Dora, aqui é a diretora da escola da Emília.

    – Ai, meu Deus! O que foi que a minha filha aprontou?!

    – Calma. Dona Dora, ela não aprontou nada muuuiiito grave! Ela é uma das melhores alunas da classe.

    – Então o que aconteceu? Ela se machucou?

    – Não, Dona Dora. Ela... eu explico. É que ela começou uma passeata aqui na escola, ela está reivindicando aula nas férias de julho e de fim de ano!

    – O quê?! A Emília quer ter aula nas férias também?

    – Pois é! Ela até já convenceu alguns coleguinhas! Estão começando uma passeata.

    Será que a senhora poderia vir aqui?

    Meia hora depois:

    – Emília, minha filha! Emília...

    – Queremos aula nas férias! Queremos aula nas férias! Mãe, tô ocupada! Não tá vendo?

    – Me obedece, hein?! Senão vou tomar uma providência.

    – Mãe, tô ocupada! Queremos aula nas férias! Queremos...

    – Foi você quem pediu. (Cócegas). Acorda já! (Mais cócegas.) Vamos, acorda menina!

    – Para, manhê. Hã! Eu tava sonhando?!

    – Estava, e no primeiro dia de férias! A Aninha e a Juju estão te esperando para brincar.

    Vamos, levanta.

    – Aula nas férias?! Nem em sonho!

YAMASHITA, Tereza; BRÁS, Luis. Dias Incríveis. São Paulo: Callis, 2006. p. 19. * Adaptado: Reforma Ortográfica.

De acordo com esse texto, a passeata organizada por Emília


2. (SAERJ). Leia o texto abaixo.

Recreio. São Paulo: Abril, ano 10, n. 479, p. 24, 14 maio 2009.

A intenção da mãe ao mandar Antoninho pular na água era


3. (IDEBP). Leia o texto abaixo.

Um salto no tempo

    As informações levavam muito tempo para chegar ao seu destino. Mas, hoje, as enormes distâncias foram reduzidas e a comunicação a distância já pode ser realizada entre povos do mundo todo em questão de segundos. Graças ao desenvolvimento dos meios de comunicação, basta retirar o fone do gancho e fazer a ligação, ou sentar à frente de um computador e enviar a sua mensagem por e-mail, isto é, um correio eletrônico que envia e recebe informações de qualquer parte do planeta. [...]

Disponível em: http://migre.me/9SDH4. Acesso em: 22 maio 2011. Fragmento.

Qual é o assunto desse texto?


4. (SEDUC-GO). Leia o texto abaixo.

O príncipe sapo

    Uma feiticeira muito má transformou um belo príncipe num sapo, só o beijo de uma princesa desmancharia o feitiço.

    Um dia, uma linda princesa chegou perto da lagoa em que o príncipe morava. Cheio de esperança de ficar livre do feitiço, ele lhe pediu um beijo. Como ela era muito boa, venceu o nojo e, sem saber de nada, atendeu ao pedido do sapo: deu-lhe um beijo.

    Imediatamente o sapo voltou a ser príncipe, casou-se com a princesa e foram felizes para sempre.

Seieszka, Jon. O patinho realmente feio e outras histórias malucas. São Paulo: Companhia das letrinhas, 1997, [s. p].

O que deu origem aos fatos narrados nesse texto?


5. (PROEB). Leia o texto abaixo e responda.

Como o cavalo se tornou Cervo do homem

    Há muitos e muitos anos, os animais viviam juntos, em total liberdade. O cavalo habitava a floresta e não conhecia o peso de uma sela nem a humilhação de puxar arados e carroças.

    Orgulhoso de sua força e beleza, o cavalo olhava os companheiros de cima para baixo. Certo dia, ele e o cervo brigaram. Cada um dizia que era o animal mais veloz das matas. Para resolver a questão, apostaram uma corrida, mas chegaram empatados. O cervo aceitou bem o resultado. O cavalo foi pedir ajuda ao homem:

    – Preciso vencer o cervo, mas não consigo...

    – Se eu o montar, conseguirá – disse o homem.

    O cavalo achou ótimo.

    O homem saltou sobre ele, colocou-lhe uma corda na boca como freio e o esporeou, para que corresse mais.

    E assim, ensinando-o a pegar a direção certa e a evitar obstáculos, o homem conduziu o cavalo à vitória. O cervo, vencido, retirou-se. O cavalo exultava:

    – Obrigado, agora vou voltar à minha floresta...

    – Nada disso, amigão – rebateu bruscamente o homem – acabo de descobrir que você pode me ser bastante útil. A partir de hoje, vou lhe dar casa e comida, e você me servirá.

    Vamos, siga-me já!

    Desde então, o cavalo perdeu a liberdade, fechado em estábulos, trabalhando nos campos ou puxando cargas. Quantas vezes não se culpou por ter trocado a independência por uma estúpida prova de velocidade.

MORAL DA HISTÓRIA: A ambição desmedida nos torna escravos.

Fabulinhas Famosas. São Paulo: Rideel, 2001. Adaptado.

O cavalo e o Cervo começaram a briga, porque


6. (SAEMI). Leia o texto:

RECEITINHA: SANDUÍCHE NATURAL

Ingredientes:

    1/2 xícara de alface picado

    3 fatias de tomate

    cenoura ralada a gosto

    1 colher de chá de margarina ou manteiga

    2 fatias de queijo mussarela

    2 fatias de pão de forma integral

    sal a gosto

    azeite a gosto

    orégano a gosto

Modo de Preparo:

    Tempere o tomate, a cenoura e o alface com o sal, azeite e orégano. Passe a margarina/manteiga no pão de forma.

    Depois coloque todos os ingredientes entre as duas fatias de pão.

    Se preferir coloque o pão para esquentar antes de comer, assim ele fica mais crocante.

    Agora é só saborear.

Esse texto tem a finalidade de


7. (SEDUC-RJ). Leia o texto abaixo.

26 DE JULHO

RICARDO AZEVEDO

    De manhã é assim: todo mundo vai à escola. Depois do almoço a turma se reúne para brincar. Tem vez que a gente passa a tarde andando de carrinho de rolimã.

    Ou então ficar empinando papagaio. Quase sempre a gente joga bola porque é bem melhor. Todo dia é legal, menos quando chove. Dia de chuva é um tédio. Não dá para fazer nada. O jeito é ficar sentado no quarto olhando pela janela a água cair feito um chuveiro. Depois da chuva, o jeito é fazer barquinho de papel e soltar na água que escorre pela calçada. (...)

Ricardo Azevedo. Nossa rua tem um problema.9.ed.São Paulo: Àtica, 1999, p.7-8.“Diário de Zurza” Rolimã: rolamento; pequeno carro de madeira, de brinquedo, que consiste em uma tábua sobre rolimãs. (fonte: Michaelis)

O trecho que mostra a ação do narrador na história é


8. Leia o texto abaixo.

O GATO E A GLOBALIZAÇÃO

    Depois de ser perseguido durante um bom tempo por um gato, o rato esconde-se numa toca e fica ali durante horas.

    Até que, ao ouvir latidos de cachorro, pensou que o gato tivesse ido embora e resolveu sair para passear.

    No entanto, assim que pôs a cabeça para fora foi pego pelas garras do gato.

    — Você imita latidos? – perguntou o rato espantado.

    — E o gato:

    — Meu amigo, neste mundo globalizado, quem não fala duas línguas morre de fome!

(Almanaque Brasil de Cultura Popular, set. 2000)

A frase que expressa uma opinião é:


9. (SAERJ). Leia o texto a seguir.

Robótica

    Robótica é um ramo da tecnologia que engloba mecânica, eletrônica e computação, que atualmente trata de sistemas compostos por máquinas e partes mecânicas automáticas e controladas por circuitos integrados, tornando sistemas mecânicos motorizados, controlados manualmente ou automaticamente por circuitos elétricos.

    As máquinas, pode-se dizer que são vivas, mas, ao mesmo tempo, são uma imitação da vida, não passam de fios unidos e mecanismos, isso tudo junto concebe um robô. Cada vez mais as pessoas utilizam os robôs para suas tarefas.

    Em breve, tudo poderá ser controlado por robôs. Os robôs são apenas máquinas: não sonham nem sentem e muito menos ficam cansados. Essa tecnologia, hoje adotada por muitas fábricas e indústrias, tem obtido de um modo geral, êxito em questões levantadas sobre a redução de custos, aumento de produtividade e os vários problemas trabalhistas com funcionários.

Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Rotica. Acesso em: 20 maio 2010.

No trecho “Em breve, tudo poderá ser controlado por robôs.” (3° parágrafo), a expressão destacada indica uma ideia de


10. (SEDUC-GO). Leia o texto abaixo e, a seguir, responda.

Uma questão de ponto de vista

    E lá estava o menino segurando o rabo do gato e o gato fazendo a maior algazarra. Chega sua mãe e diz:

    - Pare de puxar o rabo desse gato, menino!

    E ele responde sem se abalar:

    - Eu não tô puxando, mãe, só estou segurando, quem tá puxando é ele...

Disponível em: http://sitededicas.ne10.uol.com.br/humor_ piadas2a.htm. Acesso: 26/11/2012.

Em qual dos trechos abaixo se percebe humor?


11. (SERJ). Leia o texto e responda.

Caipira indo pra igreja

    Era uma igreja daquelas bem tradicionais, que atraem romeiros de muitas cidades vizinhas. Ela ficava no alto de um morro muito alto e muito íngreme e uma escadaria imensa levava até o topo.

    Pois bem, dia de festa, o caipira ia subindo a ladeira, degrau por degrau, de joelhos. Nisso ele olha pra cima e vê uma velhinha rolando escada abaixo, quicando e girando feito uma bola. Atrás, vários homens vêm correndo desesperados, tentando alcançá-la e interromper a queda.

    A velhinha vai rolando bem na direção do caipira e, quando ela está pertinho, ao alcance de seus braços, o capiau dá um pulo de lado, desvia e a velha continua caindo.

    Quando o primeiro dos homens que tentavam salvar a idosa passa perto do caipira, ele não se contém. Agarra-o pelo colarinho e pergunta gritando:

    — Por que, infeliz??? Por que você não segurou a velhinha??

    E o caipira, com a cara mais lerda do mundo:

    — Uai... Sei lá se é promessa!...

Maurício Ricardo Quirino

No trecho “— Por que, infeliz??? Por que você não segurou a velhinha??”, o uso dos pontos de interrogação a cada pergunta reforça a seguinte característica do homem que salva a velhinha:


12. (SAEPI). Leia os textos abaixo.

Texto 1

O Videotinha

  Se você só vê tevê, e não lê

  Cuidado com ela, que a vida não é

  igual à novela, não é não,

  não é igual à novela.

  Conheci um garotinho

  Que virou um videotinha

  Sua cara foi tomando o formato da telinha

  Quase já não conversava e muito menos estudava.

  Porque o videogame era tudo o que ele queria.

  Para de jogar! Não paro não!

  Você vai endoidar! Não endoido não!

  Vem conversar. Não quero não.

  Estou vidrado na televisão.

  A leitura é uma aventura,

  que você faz sem sair do lugar.

  Não tem videogame, não.

  Nem computador

  Pra inventar histórias,

  Só o escritor!

  Leia livros!

Disponível em: http://vagalume.uol.com.br/bia-bedran. Acesso em: 8 jan. 2010. Fragmento. *Adaptado: Reforma Ortográfica.

Texto 2

A importância da leitura e literatura infantil na formação das crianças e jovens

    [...] Inúmeros pesquisadores têm se empenhado em mostrar aos pais e professores a importância de se incluir o livro no dia a dia da criança.

    Bamberger afirma que, comparada ao cinema, ao rádio e à televisão, a leitura tem vantagens únicas. O leitor pode escolher entre os melhores escritos do presente e do passado. Lê onde e quando mais lhe convém, no ritmo que mais lhe agrada, podendo retardar ou apressar a leitura; interrompê-la, reler ou parar para refletir, a seu bel-prazer. Lê o que, quando, onde e como bem entender.

    Às crianças brasileiras, o acesso ao livro é dificultado por uma conjunção de fatores sociais, econômicos e políticos. São raras as bibliotecas escolares. As existentes não dispõem de um acervo adequado, e/ou de profissionais aptos a orientar o público infantil no sentido de um contato agradável e propício com os livros.

Disponível em: http://www.editoraetica.com.br. Fragmento. Acesso em: 8 jan. 2010. Fragmento. *Adaptado: Reforma Ortográfica.

O assunto comum a esses dois textos é